Constelações: Sucesso Profissional

O que são Constelações para o sucesso profissional?

Ao trabalharmos com as Constelações Familiares ao longo dos últimos anos, verificamos emergirem, frequentemente, condicionamentos no âmbito financeiro e problemas profissionais. Isto devido à influência das teias e vivências experimentadas pelas gerações anteriores no seio da família de que provinha.

Consequentemente, vive-se:

sem plenitude e contentamento


com um sentimento difuso de não ``estar no seu lugar``


sem ser livre perante os desafios positivos da vida e


desperdiçando força anímica


Ou seja, sentimo-nos presos num imobilismo frustrante que aparentemente mantém a pessoa cativa de algo que não identifica, mas cujo poder a paralisa.

Vemos pessoas que foram alvo de despedimentos ou não progressão na carreira por decisões que nem elas próprias percebem porque tomaram.

As dinâmicas trazidas à luz, quer na entrevista que antecede uma Constelação Financeiro-Laboral quer na própria Constelação, são complexas e regem a vida das pessoas sob a forma de buscas e impulsos inconscientes. As raízes destes problemas só são apreensíveis através do trabalho com representantes e supervisão por um terapeuta de Constelações Familiares.

Esta terapia devolve a liberdade ao indivíduo para que possa fazer as melhores escolhas profissionais.

“Ganhe poder pessoal e decida livremente a sua vida profissional”

CONSTELAÇÃO (Tomada consciência raíz problemas)

DINÂMICAS (que devolvem a liberdade)

MELHORES ESCOLHAS PROFISSIONAIS (rumo ao sucesso)

Acções reveladoras

Percebemos nas nossas Constelações Familiares que há padrões de comportamentos que apontam para a necessidade de uma Constelação Financeiro-Laboral, tais como:

N ecessidade incontornável de assentar num caderninho todas as despesas diárias apesar de se receber um salário elevado que permite viver com desafogo e até economizar sem sacrifício. Muitos casos devido a pais emigrantes sacrificavam comida e conforto em geral para poupar.

R ecusa de comprar algo cujo preço é claramente acessível mas desperta sensação de desperdício causando indecisões e adiamentos na aquisição que interferem negativamente na vida pessoal, profissional ou nos estudos como roupa, material didático, material electrónico, etc. São o caso de pessoas com avós trabalhadores, ou que emigraram para África, e pais com sucesso profissional com vida desafogada que estudaram longe de casa e transmitem a ideia de que é preciso sacrifício e merecimento para alcançar um certo estatuto sócio-económico e gozar dos bens materiais inerentes.

R ecusa de comprar algo cujo preço é claramente acessível mas desperta sensação de desperdício causando indecisões e adiamentos na aquisição que interferem negativamente na vida pessoal, profissional ou nos estudos como roupa, material didático, material electrónico, etc. São o caso de pessoas com avós trabalhadores, ou que emigraram para África, e pais com sucesso profissional com vida desafogada que estudaram longe de casa e transmitem a ideia de que é preciso sacrifício e merecimento para alcançar um certo estatuto sócio-económico e gozar dos bens materiais inerentes.

A uto-reprovação por não se ter tirado uma licenciatura com notas elevadas ou resistência a frequentar restaurantes. Talvez porque alguém na família repetia-lhes desde a infância: “Isso não é para nós que somos do povo”.

Q uando em lugares de topo e chefia ser adicto ao trabalho e ao esforço até ficar doente. São os casos de filhos e netos de operários e/ou trabalhadores braçais desejam honrar os sacrifícios destes e os seus próprios.

N ão sair de um emprego estável e insatisfatório apesar de desejar trabalhar por conta própria em áreas pouco “sérias” como decoração ou terapias. Casos de ter um pai jogador com profissão de prestígio que constituiu família paralela ou pai e mãe com carreira de prestígio – medicina, advocacia, finanças.

De uma forma geral sentimo-nos a ir por um caminho profissional que não é onde queremos apesar de estarmos a escolhe-lo. Minamos as nossas próprias profissões e carreiras ao tomarmos decisões que julgamos serem conscientes e racionais, mas são influenciadas por problemas familiares que desconhecemos.

“Liberte-se e escolha livremente”

Antes de Participar

Convém informar o Constelador Familiar de situações familiares ou próximas que ocorreram, mesmo que tenham sido com gerações anteriores.

A história socioeconómica da família é importante como:

ganhos e perdas;

migrações e emigrações, afastamento da família para estudar;

conflitos devido a heranças;

membros da família que se dedicaram melhorar a posição socioeconómica da família;

migrações e emigrações;

afastamento;

profissões vergonhosas (prostituição/abortos/prestamistas, etc.)

doenças relacionadas com o trabalho;

profissões de, pelo menos, bisavós, avós e pais, maternos e paternos;

casamentos entre pessoas de classes sociais diferentes (filho de proprietário com filha dos caseiros/trabalhador negro com filha branca dos patrões, etc.)

filhos não reconhecidos por mãe ou pai pertencente a classe superior;

filhos dados para adopção por razões económicas;

etc.